sábado, 6 de junho de 2009

às vésperas dos trinta anos, tem sido bom ler Antonio Gramsci

"Velhices
Fomos acusados de ser velhos. Até zombaram de nós porque não cumprimos todas as promessas, porque prometemos mais do que podíamos cumprir. Em certos momentos, imersos como estamos nesta vida tumultuada que nos envolve, sensíveis como somos às críticas, às faces iradamente zombeteiras de nossos adversários, nós mesmos nos sentimos diminuídos; parece-nos estar realmente decrépitos, parece que não somos capazes de fazer brotar dos nossos lábios a palavra definitiva, a palavra que dê força a nossos órgãos, que infunda vigor aos nossos membros retesados e os torne elásticos, aptos para a luta e para a conquista fecundas.
Mas uma breve reflexão esmaga esse pessimismo. Sentimo-nos velhos porque o destino perverso nos fez nascer velhos. É o ar que respiramos, são as instituições que nos dirigem, são os homens contra os quais lutamos que são velhos. A cada golpe poderoso que desferimos contra essa podridão, um fedor de velharia nos entope as narinas; toda vez que remexemos essa matéria em decomposição, experimentamos tanto nojo que, inevitavelmente, sentimo-nos por ela atingidos. Como o Lao-tsé da lenda chinesa, somos velhas crianças, gente que nasce com oitenta anos. "

2 comentários:

  1. identificação...

    S.

    ResponderExcluir
  2. Lindo.. triste....
    Para quem, como eu, há muito já passou dos trinta, essa é uma linda idade.
    Beijos para todos desse blog, com menos ou mais de trinta.
    Ah, e continuem escrevendo, adoro visitá-los.

    Deise

    ResponderExcluir